segunda-feira, 28 de novembro de 2016

[RESENHA] A Rosa da Meia-Noite - Lucinda Riley


"Atravessando quatro gerações, A Rosa da Meia-Noite percorre desde os reluzentes palácios dos marajás da Índia até as imponentes mansões da Inglaterra, seguindo a trajetória extraordinária de Anahita Chavan, de 1911 até os dias de hoje. Uma paixão para a vida toda. Uma procura sem fim. No apogeu do Império Britânico, a pequena Anahita, de 11 anos, de origem nobre e família humilde, aproxima-se da geniosa Princesa Indira, com quem estabelece um laço de afeto que nunca mais se romperia. Anahita acompanha sua amiga em uma viagem à Inglaterra pouco tempo antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial. Ela conhece, então, o jovem Donald Astbury, herdeiro de uma deslumbrante propriedade, e sua ardilosa mãe. Oitenta anos depois, Rebecca Bradley é uma jovem atriz norte-americana que tem o mundo a seus pés. Quando a turbulenta relação com seu namorado, igualmente rico e famoso, toma um rumo inesperado, ela fica feliz por saber que o seu próximo papel uma aristocrata dos anos 1920 irá levá-la para muito longe dos holofotes: a isolada região de Dartmoor, na Inglaterra. As filmagens começam rapidamente, e a locação é a agora decadente Astbury Hall. Descendente de Anahita, Ari Malik chega ao País sem aviso prévio, a fim de mergulhar na história do passado de sua família. Algo que ele descobre junto com Rebecca começa a trazer à tona segredos obscuros que assombram a dinastia Astbury."







ISBN-13: 9788581634210
ISBN-10: 8581634214
Ano: 2014 / Páginas: 574
Idioma: português 
Editora: Novo Conceito










Para reativar o blog, decidi trazer pra vocês um amorzinho de livro. Depois de ler boa parte de "Os Miseráveis - Victor Hugo", fiquei por um bom tempo sem ler nada, estudando muito. Agora, com o fim da faculdade, finalmente voltei à minha rotina literária normal.

Após iniciar diversos livros e não conseguir finalizar nenhum, encontrei A Rosa da Meia Noite em minha estante, uma compra de minha mãe. Comecei a lê-lo sem expectativas, achando sinceramente que seria mais um livro abandonado. Acontece que fui cativada pela história, pelo enredo, pelo modo de escrita de Lucinda. 

Fiquei sabendo que este livro foi recomendado pela Ana Maria Braga em seu programa Mais Você. Realmente, vale a pena a leitura!

A Lucinda é escritora de romances, mas o que mais me encantou em sua história é que, além disso, temos uma história de "suspense". Não um thriller, algo mais light... Mas ainda assim, suspense. AMO suspenses e AMO romances e a mistura dos dois me deixou de boca aberta. Foi meu primeiro contato com a autora e virei fã! 

Hello, menina, para de enrolar!

Iniciamos nossa história com Anahita Chavan, uma senhora com apenas 100 anos que possui poderes "especiais" rs Calma, não há nada de sobrenatural nessa história. Ao invés de poderes, vamos chamar de sexto-sentido. Ela consegue saber quando alguém próximo está prestes a morrer e, melhor, sente quando essa pessoa morre. Foi assim com toda a sua família, menos com seu filho, o qual ela teve que deixar para trás ainda criança e, logo depois, recebeu um atestado de óbito deste. Ah, mas Anahita não sentiu nada, e é por esse motivo que ela crê que seu filho ainda está vivo e pede para que seu bisneto, Ari Malik vá atrás da verdade. Com isso, ela entrega à ele uma extensa carta revelando seu passado, para que possa guiá-lo nessa aventura. 
À partir de então, viajamos com Ari para a Inglaterra, em busca de seu tio-avô perdido. 
Quando chega à mansão descrita na carta, Astbury Hall, encontra um set de filmagens armado e fica sabendo que ali está sendo gravado um filme, tendo como atriz principal Rebeca. 

Rebeca é uma atriz conhecida. Ela está muito feliz por se encontrar em Astbury, sem meios de contato, já que tenta fugir de seu namorado/noivo problemático. Terminar é uma opção difícil, já que no dia anterior à sua ida o mesmo a pediu em casamento e, antes de sua resposta, a notícia estava em todos os jornais. E agora? 
Ela conhece o Lorde Anthony Astbury e se encanta com sua personalidade. Porém, a cada dia que passa nessa casa, percebe que coisas estranhas vêm acontecendo e isso está realmente a deixando apavorada...

Este livro é narrado em dois tempos. Em alguns capítulos acompanhamos as aventuras de Ari e Rebeca na Inglaterra, atualmente.
Em outros, vivenciamos a história de Anahita, na Índia de 1911 e... que história fascinante! Com isso, conhecemos a Índia, seus costumes e sua beleza. A descrição é rica em detalhes. Para os leitores que gostam de conhecer culturas diferentes, está aí uma oportunidade! Passamos a compreender a história linda e dolorosa de Anahita, desde sua infância até a fase adulta e vamos preenchendo as lacunas dessa sua suspeita.

Queria falar mais, poderia ficar muito tempo aqui escrevendo sobre esse livro mas não quero dar nenhum tipo de spoiler. Cada descoberta é boa demais! Não perca mais tempo, vai lá ler!!! rs


✩✩✩✩✩ - Ótimo 

domingo, 19 de julho de 2015

[DECOR] Arrumando a estante!

Boa noite leitores!

Depois de muito tempo sem passar por aqui, vim dar umas dicas de arrumação de prateleiras, para que nossos amados livros estejam sempre lindamente expostos e bem guardados.

Como vocês já sabem, os livros são ótimos como itens decorativos. Além de úteis, servem para deixar nossa casa ainda mais linda. Tem como não amá-los?!  Mas também é verdade que quem possui muitos livros acaba sempre sofrendo com falta de espaço, não é? A não ser que você tenha uma biblioteca, ou várias prateleiras para coloca-los... Então, resolvi deixar aqui no blog algumas dicas muito úteis de como organizar seus livros. Vamos lá?

Estantes recheadas e com diversos itens de decoração


Se você possui estantes e acha que ela está meio chororô por conter apenas livros, se joga nessas ideias e misture seus livros com outros itens de decoração!



Fora da estante, colocados de maneira "cool"

Algumas maneiras de usar seus livros como decoração de vários ambientes da casa, de maneira mais despojada, veja só:



Por ordem de cor


Pra quem possui estante dá muito certo! Eu amei essa inspiração e acabei arrumando meus livros dessa maneira. Basta separá-los por cor. Neste caso, fica um pouco mais difícil separar por lidos e não lidos, ou por nome de autor, etc... Porque ate mesmo as trilogias às vezes são de cores diferentes. Mas como item de decoração, dá um tchan no ambiente!


P.S.: a segunda foto é da minha estante :D apaixonada!



Espero muuuito que tenham gostado e que se inspirem nessas ideias! Até a próxima :D 

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

[RESENHA] Uma Longa Queda - Nick Hornby

"Quatro personagens sem nada em comum, a não ser a vontade de botar um ponto-final em suas vidas, se encontram no alto de um prédio em Londres, na noite de Ano-Novo. Tomados pelo impulso solidário de não permitir que os outros se atirem, os dois homens e as duas mulheres acabam adiando a decisão de morrer e formam um peculiar grupo de apoio à vida. Mas o pacto de sobrevivência é descoberto pela imprensa local, que se regozija com a história pouco convincente de que naquela noite o apresentador de tevê Martin Sharp e seus amigos receberam a visita de um anjo que lhes convenceu a não pular. O que o público não sabe é que a história fantasiosa foi inventada como parte dos planos de sobrevivência criados pelos quatro, que, imbuídos da tarefa de se manterem vivos até pelo menos o Dia dos Namorados — outra data bastante requisitada para suicídios —, têm como objetivo apenas tornar a vida mais divertida até o próximo compromisso. Utilizando os recursos narrativos que consagraram seus livros anteriores, Nick Hornby emprega em Uma longa queda o humor autodepreciativo e as referências à cultura pop, mas prepara uma surpresa para os leitores ao tratar de temas tão polêmicos como o suicídio, a pedofilia, o abandono afetivo da família e a incapacidade mental. Tidos como especialidades da ciência ou material para a literatura de autoajuda, os abismos psíquicos e sociais surgem no livro em sua forma mais evidente e humanizada, como histórias vividas por pessoas comuns — e que por isso mesmo não escapam de um certo ridículo da experiência do dia a dia."



Edição: 1
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788535924183
Ano: 2014
Páginas: 336
Tradutor: Christian Schwartz








O romance mais famoso de Nick é Alta Fidelidade, que está na minha estante há um bom tempo. Acontece que comprei Uma Longa Queda por acaso e, conforme o "The Sunday Times" este é o melhor romance do autor até agora. Então, pensei, vamos começar pelo melhor, porque não?
E não é que fui completamente surpreendida? Uma comédia cheia de humor negro, afinal, o que uma história de suicídios poderia ter de engraçado, né?
O livro conta a história de 4 pessoas, que por motivos próprios foram parar no alto do mesmo prédio a fim de saltarem e dar fim à suas vidas. O que nenhuma dessas pessoas contavam era com o comparecimento das outras. Aí você pergunta: ah tá! pelo acaso, assim, 4 pessoas se encontram na mesma hora, no mesmo lugar e com a mesma finalidade?
É isso mesmo! Acontece que é uma noite de ano novo e esse é um prédio abandonado de Londres, famoso exatamente por ser a escolha de vários suicidas. Essas 4 pessoas, então, se encontram e uma reviravolta acontece. Um vai impedindo o outro e esse circulo vicioso se forma. Os quatro personagens são: Martin, um apresentador de tv que, por acaso, saiu com uma garota de 15 anos imaginando que a mesma já tinha 18 e, por conta disso, foi condenado à pedofilia. Também perdeu a esposa e as filhas e é considerado o maior babaca da tv; Jess, uma adolescente que acabou de perder o amor de sua vida. Uma menina completamente descontrolada que fala tudo o que vem na sua cabeça sem pensar nas consequências; JJ, um moto-boy e roqueiro frustrado, uma vez que viu que sua banda não ia pra frente e, por fim, Maureen, mãe de um adolescente em estado vegetativo, que nem sabe se o garoto alguma vez na vida conseguiu entender uma palavra do que ela disse.
Cada uma dessas pessoas acredita que seu motivo é mais importante que o das outra. Cada um olha simplesmente para seu próprio umbigo e que se dane o resto! Acontece que Jess é muito nova para morrer e seu motivo é muito fútil, o que leva a trupe em busca de Chas, o amado da garota, para convencê-lo a reatar o namoro. Nessa saída, decidem fazer um pacto: nenhum deles poderá se matar até o dia dos namorados, onde se encontrarão de novo e, só então, estarão livres para seguir com sua vida - ou sua morte.
A partir daí, vemos muitas verdades jogadas na nossa cara, muitos problemas maiores do que o que temos na vida e, ao mesmo tempo, passamos a entender que não é porque o problema do outro é menor que o seu que não é um PROBLEMA. Passamos a entender melhor a vida de muitas pessoas e muitas vezes a vida que não vemos, que não conhecemos, que não está exposta. Você já pensou que poderia estar conversando sobre os problemas de seu filho adolescente com uma mãe que tem um filho adolescente em estado vegetativo? Não, né? Pelo menos o seu filho tem uma vida e tem problemas comuns de adolescentes. Sabe? Esse tipo de coisa é abordada a todo momento no livro e muitas, muitas vezes me peguei rindo de coisas que não tinham graça nenhuma. E é aí que paramos pra pensar.

Hornby faz isso com os leitores, cria piadas onde não há graça. Nos faz sentir remorço ao rir de determinadas situações. Um livro que permanecerá por muito tempo em minha memória, piadas que com certeza não esquecerei. Só não ganhou cinco estrelas porque o final ficou um pouquinho a desejar, NO MEU PONTO DE VISTA. 

Skoob.
✩✩✩✩ - Muito Bom

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

[RESENHA] Um Amor de Detetive - Sarah Manson

"Neste divertido romance de estréia de Sarah Mason, Um amor de detetive, os opostos se encontram e - como não poderia deixar de ser -, também se atraem. A bela Holly Colshannon é uma ambiciosa e desastrada jornalista da Bristol Gazette. James Sabine (apenas um pouco mais bonito que ela), é um sargento-detetive durão, grosseiro e ressentido. Levados pelo acaso , eles se encontram diversas vezes por conta de uma série de conicidências bastante oportunas. Rapidamente, a determinada Holly vê em James a grande chance de progredir em sua carreira e decide segui-lo por um período de seis semanas a fim de escrever uma coluna crimina, que poderá vir a ser o seu primeiro sucesso jornalístico. O lado positivo da situação é que ela consegue obter a tão sonhada coluna O lado negativo é que o bonitão não está nem um pouco feliz com a presença constante de Holly em sua vida."




Edição: 1
Editora: Bertrand Brasil
ISBN: 852861073X
Ano: 2004
Páginas: 336










Um amor de detetive é um livro já bem famosinho por seu conteúdo hilário. Estava de ressaca literária, como já comentei com vocês aqui no blog e quando me veio a vontade de ler, senti a necessidade de um livro engraçado, que me fizesse dar altas risadas. Na verdade, procurava algo no estilo da Saga Becky Bloom. Mas já sabia que não encontraria nada tão bom quanto. Então decidi ler Um Amor de Detetive.
E sim, se trata de um livro engraçado, mas não tão engraçado como Becky Bloom. Holly é uma personagem muito louca, destrambelhada e sem noção que trabalha em um jornal comum e precisa ganhar seu espaço dentro do trabalho. Então, consegue um trabalho temporário na delegacia, onde ficará na cola do detetive James, um cara durão e mau-humorado. James já deixa claro à Holly que não gosta de sua companhia, que gosta de trabalhar sozinho e que se irrita com a voz dela. Ok, né? Mas Holly insiste, afinal, é sua única chance. Ela está crente de que todo mau-humor é porque James é um cara mal-amado. Só que essa teoria cai por água abaixo quando ela conhece sua noiva! Uma mulher elegante, fina, linda, cara de modelo de capa da Vogue. E o relacionamento com essa mulher, como vai ser?
Ao longo da história vamos rindo com as coisas malucas que Holly faz e muitas vezes me coloquei no lugar de James, e fiquei com um pouquinho de dó. Não e fácil aguentá-la não! rs Dentro da delegacia Holly faz muitos amigos e, qual deles será seu amor de detetive?
Comédia romântica docinha, alegrinha, um bom passatempo! Nada que vá nos fazer lembrar por toda a vida, mas a finalidade desses livros é nos fazer esquecer, não é mesmo?
Logo em seguida, fui ler Alta Fidelidade, a "continuação" de Um Amor De Detetive. Não é bem uma continuação pois se a personagem principal passa a ser a irmã de Holly. Claro que, como a história se passa depois, ficamos sabendo o que aconteceu com ela e tal, mas o foco é totalmente diferente e, confesso, amei esse livro. Gostei muito mais que Um Amor de Detetive. Mas minhas opiniões sobre ele ficam para outra resenha :) 

✩✩✩✩ - Muito Bom.



segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

LIDOS EM 2015

Nessa lista, postarei em ordem de leitura os livros lidos neste ano. Assim, conseguirei me manter atualizada sobre que tipo de livros estou lendo, o que está faltando e se estou conseguindo cumprir minha meta de leitura. 


A Meta

Minha meta é ler tudo aquilo que comprei e até agora se encontra parado na minha estante. Assim, posso trocá-los, doá-los, enfim... Além disso, preciso ler mais clássicos e livros que se encontram na lista da Gilmore. Quem não se lembra desse desafio, aqui está
CLARO que eu sei que será impossível ler TODOS os livros parados na estante, mas penso em dar prioridade à estes. Não pretendo comprar muitos livros este ano, pois acabo lendo muitos e-books e assim não gasto tanto dinheiro e papel rs 

Leituras de 2015

1 - Uma Longa Queda - Nick Hornby - RESENHA
2 - O Que é Isso Companheiro? - Fernando Gabeira
3 - A Resposta - Kathryn Stockett
4 - A Vida Secreta de Marilyn Monroe - J. Randy Taraborrelli 
5 - Pequena Abelha - Chris Cleave
6 - O Colecionador - John Fowles
7 - Anjos e Demônios - Dan Brown
8 - Criancinhas - Tom Perrotta
9 - Água para Elefantes - Sara Gruen
10 - O Inferno de Gabriel - Sylvain Reynard
11 - O Julgamento de Gabriel - Sylvain Reynard
12 - Até Você Ser Minha - Samantha Hayes
13 - Mentirosos - E. Lockhart
14 - Pequenas Grandes Mentiras - Liane Moriarty
15 - Objetos Cortantes - Gillian FlynnF
16 - Feliz Ano Velho - Marcelo Rubens Paiva

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

[OUTROS] Ressaca Literária

E quem diria, hein?! Eu tive uma ressaca das bravas, pois é :/ Nunca tinha acontecido comigo e dessa vez me pegou de jeito. Se você não sabe do que eu estou falando, vem comigo!!!


A ressaca literária ocorre por dois motivos:

1 - você leu um livro que amou muito e, quando terminou, não consegue encontrar outro que te dê tanto prazer na leitura como ele.
2 - uma overdose de livros: você decide ler compulsivamente ou acaba fazendo sem com que perceba e, do nada, simplesmente não consegue mais pensar em deitar pra ler algo.

A minha foi a segunda. Comecei a ler compulsivamente numa época em que trabalhava e ia pra faculdade. Li sem pensar no amanhã. Depois de um tempo, simplesmente não consegui mais ler nada. Olhava para minha estante e tinha dó de deixar todos aqueles livros parados lá e cheguei até mesmo a me arrepender de tê-los comprado. Minha ressaca foi tão forte que eu preferia ficar deitada olhando para o teto ao ler um livro e durou tanto que pensei que talvez eu tivesse desistido de vez da literatura. Até que um dia fiquei com vontade de ler algo engraçado e li A Pílula do Amor, do qual fiz resenha aqui no blog. Depois dele, li Um amor de Detetive e Alta Sociedade, ambos da mesma autora. E, agora, voltei a ler Os Miseráveis, que deixei parado na estante.

O meu maior problema é que eu nem imaginava que essa "doença" existia! Foi por acaso que, ao assistir um vídeo no youtube com a tag "problemas de um leitor" ouvi esse nome e falei: OPA! ERA ISSO!
 Eu nunca tinha conversado com outra pessoa que já tivesse passado por esse problema e é realmente assustador quando não se sabe o que é e por quê surgiu.

Como saber se estou com ressaca literária?


Você pegou um livro na estante, começou a lê-lo e não tem vontade nenhuma de continuar. Então parou, pegou outro. Esse segundo também não foi pra frente... Nem o terceiro...


Esse é um dos sintomas. Não conseguir gostar de nada que se lê. O problema não é o livro, é você!

Outro sintoma é nem mesmo conseguir pensar em ler algo, como o que aconteceu comigo. Eu me sentia como aquelas pessoas que odeiam ler, sabe?

Como curar?


A cura existe e geralmente vem com o "repouso" e com o tempo. O tempo é o único remédio. Deixe os livros de lado, faça outras atividades que, com o tempo, a vontade voltará. Uma ótima dica é: não se force a ler nada, só vai piorar a situação. Aceite o problema e encare-o!




Enfim, é isso. Espero que nunca sofram desta "doença" rs mas caso ela apareça, mantenha a calma! haha


terça-feira, 18 de novembro de 2014

[RESENHA] A Pílula do Amor - Drica Pinotti

"Esta poderia ser mais uma daquelas histórias em que a protagonista está na faixa dos 30 anos, é bonita, descolada, tem um emprego legal, uma mãe meio rebelde e sonha com um grande amor que de preferência não dê muitos palpites em sua vida. Poderia, se Amanda não contasse com um ingrediente a mais: ela é totalmente, absolutamente, hipocondríaca. Não passa uma semana sem se presentear com uma consulta ao novo especialista da cidade, seja lá qual for a especialidade."







ISBN: 9788579270871

Ano: 2010  Páginas: 280

Editora: Prumo












Amanda é uma hipocondríaca e, pra quem não sabe o que é isso, ela é viciada em doenças. Até aí eu já sabia, tudo bem. Acontece que eu nunca parei para pensar como era a vida de uma pessoa hipocondríaca. Nunca imaginei com que intensidade isso poderia ocorrer e como realmente funcionava. Até que encontrei esse livro. 

Aí vocês estão pensando: como essa história pode se tornar uma comédia romântica?

E é isso o que Drica consegue fazer. Sim, a historia de uma hipocondríaca e viciada em remédios é hilária. Ela soube abordar o tema com humor, sem desrespeitá-lo. Há quem diga que você passa a odiar a Amanda por toda a frescura dela. Vi uma resenha em que a autora do blog comentava sobre ela ser mesquinha e querer tudo do jeito dela. Essa e uma característica da personagem. Nem todos os personagens tem que ser legais e agradar todo mundo, né?

O que me irritava sim um pouco em Amanda era que ela estava sempre em busca de um homem perfeito, sendo que ela mesma tinha diversos problemas, sendo a hipocondria o maior deles. Hm, Amanda... melhor pensar melhor antes de rejeitar alguém... 

Além de toda a narrativa sobre Amanda, a autora nos revela também como essa doença acaba interferindo na vida pessoal da personagem com sua família e, inclusive, a causa da hipocondria. 
O livro nos revela uma história perturbadora e ao mesmo tempo romântica dessa advogada que, cada vez mais, está metida em encrencas. Super rápido de ser lido e uma comédia romântica engraçada(inha), é um bom passatempo!
✩✩✩ - Bom